Pular para o conteúdo principal

História da proporção áurea

história do phi
O número de ouro sempre existiu na matemática e no universo físico, mas não se sabe exatamente quando foi descoberta e aplicada pela humanidade. É razoável supor que talvez tenha sido descoberto e redescoberto ao longo da história, o que explica por que está sob vários nomes.

O número Phi


Usos na arquitetura datam dos antigos egípcios e gregos

Parece que os egípcios podem ter usado pi e phi no design das  Grandes Pirâmides . Alguns consideram que os gregos basearam o design do  Parthenon  nessa proporção, mas isso está sujeito a algumas conjecturas.


Phidias (500 a.C. - 432 a.C.), um escultor e matemático grego, estudou phi e a aplicou ao
design de esculturas para o Parthenon.  

Platão | por volta de 428 aC - 347 a.C. |, em seus pontos de vista sobre ciências naturais e cosmologia apresentados em seu "Timeu", considerava a seção de ouro a mais vinculativa de todas as relações matemáticas e a chave para a física do cosmos.

Euclides (365 a.C. - 300 a.C.), em "Elementos", se referia a dividir uma linha no ponto 0,6180399 ... como "dividir uma linha na proporção extrema e média". Isso mais tarde deu origem ao uso do termo média na média de ouro. Ele também ligou esse número à construção de um pentagrama.


A sequência Fibonacci foi descoberta por volta de 1200 d.C.

Leonardo Fibonacci, um italiano nascido em 1175 d.C. descobriu as propriedades incomuns da série numérica que agora leva seu nome, mas não é certo que ele tenha percebido sua conexão com phi e a Média de Ouro. Sua contribuição mais notável para a matemática foi uma obra conhecida como Liber Abaci, que se tornou uma influência crucial na adoção pelos europeus do sistema decimal árabe de contagem de números romanos.

Sequência de Fibonacci


Foi chamada pela primeira vez de “Proporção Divina” nos anos 1500

Leonardo Da Vinci forneceu ilustrações para uma dissertação publicada por Luca Pacioli em 1509, intitulada “De Divina Proportione”, talvez a referência mais antiga na literatura a outro de seus nomes, a “Proporção Divina”. Este livro contém desenhos feitos por Leonardo da Vinci dos cinco sólidos platônicos.

Os artistas renascentistas usavam o Número de Ouro extensivamente em suas pinturas e esculturas para alcançar equilíbrio e beleza. Leonardo Da Vinci, por exemplo, usou-o para definir todas as proporções fundamentais de sua pintura "A Última Ceia", a partir das dimensões da mesa em que Cristo e os discípulos sentavam às proporções das paredes e janelas ao fundo.  

Johannes Kepler (1571-1630), descobridor da natureza elíptica das  órbitas  dos planetas ao redor do sol, também mencionou a “Proporção Divina”, dizendo o seguinte:

A geometria tem dois grandes tesouros: um é o teorema de Pitágoras; o outro, a divisão de uma linha em proporção extrema e média. O primeiro podemos comparar com uma medida de ouro; no segundo, podemos nomear uma jóia preciosa.

A “proporção áurea” foi criada em 1800 

Acredita-se que Martin Ohm (1792-1872) foi a primeira pessoa a usar o termo “dourado” para descrever a proporção áurea. para usar o termo em 1815, ele publicou " Die reine Elementar-Mathematik " | A Matemática Elementar Pura |. Este livro é famoso por conter o primeiro uso conhecido do termo "goldener schnitt" (seção dourada).


Aparições recentes de Phi em matemática e física

Phi continua a abrir novas portas em nossa compreensão da vida e do universo. Ele apareceu na descoberta de Roger Penrose, na década de 1970, de " Penrose Tiles ", que primeiro permitia que as superfícies fossem revestidas com simetria quíntupla. Apareceu novamente nos anos 80 em  quase-cristais, uma forma recém-descoberta de matéria.

Phi como uma porta para entender a vida

A descrição dessa proporção como Dourado e Divino é adequada, talvez porque é vista por muitos como abrir a porta para uma compreensão mais profunda da beleza e da  espiritualidade  na vida. Esse é um papel incrível para um único número, porém, esse número desempenhou um papel incrível na história humana e no universo em geral.


Comentários

Dezenas de bandeiras no Cubo Mágico

Postagens mais visitadas deste blog

Exercício respondido sobre tronco de cilindro

Um plano β intercepta todas as geratrizes de um cilindro circular reto e forma com o plano α de uma base do cilindro um ângulo de 45°(conforme figura).


O tronco de cilindro limitado pelos planos α e β tem geratriz maior emenor medindo 20 cm e 16 cm. Calcule o volume desse tronco.

Resolução:
Primeiro vamos encontrar o raio do cilindro. Iremos fazer isto por semelhança de triângulo. A imagem acima vista de perfil ficam bem visíveis dois triângulos, como destacado nas figuras abaixo.

Como os triângulos são isósceles, os dois catetos, de cada triângulo, são iguais.
Logo, o diâmetro será:
Diâmetro = 20 cm – 16 cm = 4cm
E como o raio é igual a  Diâmetro/2,temos:
Sabendo do valor do raio, agora aplicaremos a fórmula do tronco de cilindro.

Exercício respondido sobre tronco de cilindro

Um copo cilíndrico, cujo diâmetro interno mede 6 cm e cuja altura interna mede 10 cm, contém um certo volume de água. Inclinando o máximo possível esse copo, sem derramar a água, obtemos a medida descrita na figura abaixo. Qual é o volume da água contida no copo?


Resolução:
O volume da água é o volume do seguinte tronco de cilindro circular reto de base circular:

Esse tronco é equivalente ao seguinte cilindro circular reto:


Cilindro circular reto de raio 3 cm

Logo, o volume V do tronco é:


Resposta:

Exercício respondido sobre tronco de cilindro

As medidas das geratrizes maior e menor de um tronco de cilindro de revolução são, respectivamente, 10 cm e 8 cm. Determine a medida do raio da secção reta, sabendo que a área lateral do tronco de cilindro mede 54 cm^2.




Resolução:
A medida do raio a ser encontrado é do seguinte tronco de cilindro:

Assim, o raio r, usando a fórmula da área lateral  do tronco de cilindro é: 

Resposta: a medida do raio da secção reta é igual 3 cm